República Notícias

Bolsonaro faz chacota e escancara maldade de Lula; VEJA VÍDEO

COMPARTILHE:

O ex-presidente Jair Bolsonaro provocou Lula da Silva (PT) em relação ao “impostozinho” na picanha. Na rede social X, antigo Twitter, Bolsonaro ironizou a declaração de Lula sobre a taxação de “carne chique”.

Bolsonaro publicou um vídeo em resposta a uma apoiadora que criticava a fala do petista. O vídeo inicia com a frase “vai ter picanha” e em seguida exibe: “vai ter impostozinho na picanha”.

ANÚNCIO

Taxação da “carne chique”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se declarou favorável à taxação da “carne chique”, mas defendeu a isenção de impostos sobre os alimentos “que o povo consome”, como frango e ovo.

“Temos que fazer diferenciação. Temos vários tipos de carne, tem a ‘carne chique’, [e] quem consome pode pagar um impostozinho. E tem a carne que o povo consome”, disse Lula nesta terça-feira (2), em entrevista à Rádio Sociedade, de Salvador (BA).

“O frango, por exemplo, não precisa ter imposto, faz parte do dia a dia do brasileiro. O ovo também. Uma carne, um músculo, coxão-mole, tudo isso pode ser evitado” de taxar, explicou.

ANÚNCIO

Lula disse que já conversou sobre essa questão com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e com o Tesouro. A mudança na taxação poderia ocorrer durante a regulamentação da reforma tributária no Congresso Nacional.

“A gente precisa colocar a carne na cesta básica, sim, sem que haja imposto. Uma coisa importada, chique, tem que pagar imposto”, afirmou o presidente. “É possível fazer isso? Eu não sei. Temos 513 deputados, mais 81 senadores, e tem a proposta do governo. Ela não é irrevogável, ela pode mudar”, explicou Lula.

Haddad, por sua vez, declarou nesta terça que essa discussão está em andamento com os parlamentares. “Veja bem, nós já mandamos o nosso PL para o Congresso com a cesta básica definida pelo Executivo, com a participação do presidente [Lula]. Os debates estão acontecendo. Amanhã [quarta-feira] vai se apresentar o relatório dos dois grupos. Os dois relatórios dos dois grupos para apreciação do plenário das Casas”, comentou o ministro da Fazenda.

ANÚNCIO

Veja o vídeo:

ANÚNCIO